sexta-feira, 9 de julho de 2010

4º FÓRUM NACIONAL DE MUSEUS

4º FÓRUM NACIONAL DE MUSEUS

O Fórum Nacional de Museus (FNM) é um evento bienal, com o objetivo de refletir, avaliar e estabelecer diretrizes para a Política Nacional de Museus (PNM) e para o Sistema Brasileiro de Museus (SBM).

A 4ª edição do Fórum Nacional de Museus é uma culminância do processo de construção da Política Nacional de Museus e sintetiza o esforço empreendido para articular, promover, desenvolver e fortalecer o campo museal brasileiro. Trata-se de um momento propício para a avaliação da PNM em termos de metas, experiências, realizações, resultados efetivos, frustrações e, ao mesmo tempo, de construção e projeção no futuro de novas possibilidades e experimentações, de novos caminhos, desafios e horizontes.

As três edições anteriores do FNM contribuíram, ao seu modo, para o desenvolvimento e o enraizamento social da política de museus, compreendida como política pública de cultura.

O 1º FNM, realizado em Salvador (BA), em 2004, teve por tema “A Imaginação Museal: os caminhos da democracia” e inspirou muitos debates. O 2º FNM, realizado em Ouro Preto (MG), em 2006, adotou o tema, “O futuro se constrói hoje" e contribuiu para a apresentação e o desenvolvimento de novas experiências museais. O 3º. FNM foi realizado em Florianópolis (SC), em 2008, tendo por pano de fundo o tema: “Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento”, foi fundamental para a afirmação da centralidade da museologia social no âmbito da PNM.

O 4º FNM traz para o centro dos debates o tema: “Direito à Memória, Direito a Museus”. A vontade (ou desejo) de memória (e de patrimônio) mesmo não sendo exclusividade do mundo contemporâneo, ganha na atualidade, em virtude de seu vínculo com o campo da comunicação e da política, uma dimensão especial.

Direito à memória, vontade de memória e dever de memória, implicam, de algum modo, o seu oposto. A memória é campo de litígio, é arena de disputa política pelo passado e pelo futuro. Nesse sentido, é preciso considerar que esquecer não é crime, esquecer não é pecado, esquecer faz parte da vida e faz parte dos processos de memória. Assim como produzimos memória, também produzimos esquecimentos.

O tema do 4º FNM tem relevância para o campo museal contemporâneo e sinaliza para a importância de se pensar o museu como conector cultural de espaços e tempos diversos. Tudo isso, levando em conta a memória que, a rigor, está entronizada no presente.

Compreendendo o 4° FNM como espaço radical de troca de experiências, o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) convida todos os interessados no tema acima indicado a participar do exercício de construção de uma nova imaginação museal; uma imaginação capaz de dialogar com temas como: cidades e cidadania; desenvolvimento sustentável; economia criativa; e, estratégias de institucionalização de um universo museal tão multifacetado.

Durante o Fórum serão oferecidos mini-cursos de capacitação em diversas áreas de atuação do campo museal. Também serão reunidos grupos de trabalhos temáticos para a construção e discussão das diretrizes, ações e metas da Política Nacional de Museus - PNM.

Resultados Esperados

1. Mobilizar a comunidade museológica do Brasil;
Propor estratégias para o fortalecimento do setor museológico, buscando assegurar a qualificação da gestão museal;
2. Promover o debate entre profissionais de museus, gestores culturais, estudantes e interessados no tema, garantindo ampla discussão sobre questões como gestão cultural; preservação, aquisição e democratização de acervos; formação e capacitação; educação e ação social; modernização e segurança; economia dos museus; acessibilidade e sustentabilidade ambiental; comunicação e exposições; pesquisa e inovação;
3. Propor estratégias para a consolidação dos sistemas de participação e controle social na gestão das políticas públicas de museus e memórias e estimular as transversalidades culturais, garantido acesso a uma boa formação dos profissionais do campo museal;
4. Aprimorar e propor mecanismos de articulação e cooperação institucional entre os entes federativos e destes com a sociedade civil, enfatizado as atividades de preservação e aquisição, bem como os esforços de democratização de acervos;
5. Debater, examinar e implantar as diretrizes aprovadas na II Conferência Nacional de Cultura (CNC), relativas aos museus;
6. Elaborar e aprovar as estratégias para o Plano Nacional Setorial de Museus, contemplando os principais aspectos do que resultou do debate sobre as questões transversais do setor museal;
7. Eleger os novos membros do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, que, simultaneamente, passarão a compor o Colegiado Setorial de Museus e Memória junto ao Conselho Nacional de Políticas Culturais.

O evento acontece de 12 a 17 de julho.

Para mais informações: http://www1.museus.gov.br/

quinta-feira, 8 de julho de 2010

PROJETO CINEMA NO MUSEU ANTROPOLÓGICO/UFG

PROJETO CINEMA NO MUSEU ANTROPOLÓGICO/UFG

Programação de férias – Julho – 2010



Sessões de Filmes com Debates

Local: Miniauditório do Museu Antropológico/Pça. Universitária, 1166, St. Universitário



Informações: Coordenação de Intercâmbio Cultural - Museu Antropológico/UFG

Tel. (62) 3209 –6375/ 3209-6010, Site: www.museu.ufg.br





DIA 09/07 (sexta-feira) – 14 horas

Filme: Invictus

Diretor: Clint Eastwood – (EUA, 2009)

Duração: 134 minutos

Debatedor: Prof. Cleber Augusto Gonçalves Dias - FEF/UFG



Sinopse: O filme Invictus conta a história do presidente sul africano Nelson Mandela (Morgan Freeman) que usa o esporte para unir a população, durante uma copa do mundo no País. Para conseguir essa façanha, chama para uma reunião Francois Pienaar (Matt Damon), capitão da equipe sul-africano, e o incentiva para que a seleção nacional seja campeã.




DIA 16/07 (sexta-feira) – 14 horas

Filme: Estação Seca

Diretor: Mahamat-Salen Haroun – (Chade e França, 2006)

Duração: 92 minutos

Debatedor: Prof. Marcelo Rodrigues Souza Ribeiro

( Escola de fotografia e Cinema da Faculdade Cambury)



Sinopse: Chade, 2006. Depois de anos de guerra civil, o governo garante anistia para todos os crimes de guerra. Atim, de 16 anos, recebe uma arma de seu avô e parte em busca do homem que matou seu pai. Deixando sua aldeia rumo à capital N'djamena, Atim rapidamente o encontra: Nassara está casado e estabelecido como dono de uma pequena padaria. Com a intenção de matá-lo, Atim se aproxima de Nassara e se torna seu aprendiz. A relação entre os dois se estreita e Atim, que acreditava que a aproximação lhe oferecia facilmente uma ocasião para matar Nassara, se vê em meio a uma situação imprevisível.




DIA 23/07 (sexta-feira) – 14 horas

Filme: A Negação do Brasil

Diretor: Joel Zito Araújo – (Brasil, 2000)
Duração: 90 minutos
Debatedores: Diogo Marçal Cirqueira/Mestrando em Geografia pela UFG e Igor Fernandes de Alencar/ Graduando em História pela UFG



Sinopse: O documentário é uma viagem na história da telenovela no Brasil e particularmente uma análise do papel nelas atribuído aos atores negros, que sempre representam personagens mais estereotipados e negativos. Baseado em suas memórias e em fortes evidências de pesquisas, o diretor aponta as influências das telenovelas nos processos de identidade étnica dos afro-brasileiros e faz um manifesto pela incorporação positiva do negro nas imagens televisivas do país.



DIA 30/07 (sexta-feira) – 14 horas

Filme: Zona do Crime

Diretor: Rodrigo Plá - ( México, 2007)

Duração: 97 minutos

Debatedor: Prof. Reginaldo Teixeira Mendonça – FF/UFG



Sinopse: Cidade do México, México. Alejandro (Daniel Tovar) é um adolescente que vive em La Zona, um condomínio fechado protegido por guardas particulares. No dia de seu aniversário três jovens de uma favela vizinha invadem o local, para assaltar uma das casas. Durante o assalto eles matam uma mulher, mas a empregada consegue fugir e avisa a segurança. Os guardas reagem e matam dois dos invasores, mas Miguel (Alan Chávez) consegue escapar. Logo em seguida um grupo de moradores se reúne na casa de Alejandro, onde fica decidido que nada será dito às autoridades e que eles próprios procurarão o 3º invasor pela propriedade do condomínio.





Observação: A atividade é gratuita e aberta a todos os interessados. público participante terá direito a declarações e certificados.